Caminho de Cora

Caminho de Cora Coralina

“O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada,
caminhando e semeando,
no fim terás o que colher.”
Cora Coralina

O Caminho de Cora Coralina é uma trilha de longo curso que liga a Cidade de Goiás até a cidade de Corumbá de Goiás. Com cerca de 300 km, a maioria passando por estradas vicinais de terra e trilhas pelo meio do cerrado, o Caminho de Cora Coralina é uma atração cada dia mais procurada por turistas de todo o país. São 8 municípios (Corumbá de Goiás, Cocalzinho de Goiás, Pirenópolis, São Francisco de Goiás, Jaraguá, Itaguari, Itaberaí e a Cidade de Goiás) e 8 distritos (Caxambu, Radiolândia, Chapeulândia, Alvelândia, Palestina, São Benedito, Calcilândia e Arraial do Ferreiro). A trilha pode ser feita a pé ou de bicicleta, e mostra a cultura goiana em especial sua gastronomia e suas lindas paisagens. O caminho interliga 3 unidades de conservação do estado de Goiás: o Parque Estadual da Serra dos Pirineus, o Parque Estadual da Serra de Jaraguá e parte do Parque Estadual da Serra Dourada. O Caminho de Cora Coralina é uma experiência incrível de imersão na cultura e no cerrado goiano.

O bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva, chamado pelos índios como Anhanguera, termo em tupi que significa “Diabo Vermelho”, fez sua incursão aos sertões de Goiás em 1682 acompanhado por seu filho, então com 12 anos, de mesmo nome. Em busca de ouro, o bandeirante encontrou próximo a nossa cidade, uma tribo indígena com artefatos feitos com o metal precioso. Os índios se negaram a mostrar aonde estava o ouro e então Bartolomeu Bueno da Silva teria colocado fogo em um pouco de cachaça, dizendo que incendiaria os rios se os índios não obedecessem. Com medo do Anhanguera, os índios mostraram o caminho de um rio ao pé da serra, de onde Bartolomeu Bueno retirou muito ouro, retornando a São Paulo. 40 anos depois, seu filho retornou aos sertões de Goiás e uma tribo ainda contava os feitos do “Diabo Vermelho”. Ele então se apresentou como seu filho e, com o mesmo temor, os indígenas o levaram ao mesmo rio em que estivera 40 anos antes. O Anhanguera Filho então volta a São Paulo para, em 1726, retornar com nova expedição e começar a explorar o ouro na região do Rio Vermelho. Esses primeiros caminhos abertos pelos bandeirantes foram continuamente utilizados por outros exploradores, nos séculos seguintes e até os dias de hoje, aonde os modernos exploradores apenas querem retirar a riqueza das imagens belíssimas dessas antigas trilhas, seja a pé ou de bicicleta. O Caminho de Cora Coralina foi idealizado segundo os antigos relatos, com muita pesquisa e estudos, para retraçar o mais fielmente possível essas rotas coloniais. Ao longo de todo o caminho você encontra versos de Cora Coralina, que encantam tanto quanto a exuberante fauna e flora da nossa região, além de antigas construções seculares que permanecem vivas, emocionando a todos os que se aventuram por essas trilhas. Conhecer o Caminha de Cora Coralina e fazer uma verdadeira viagem no tempo.

Mais informações acesse: www.caminhodecoracoralina.com.br